Viés do presente e a aversão à perda
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O viés do presente é caracterizado como a tendência de atribuir maior valor a recompensas mais próximas em oposição a recompensas futuras. Este comportamento é derivado do prazer do benefício imediato.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Já a aversão à perda reza que a dor da perda de um determinado capital é muito maior do que o prazer de ganhá-lo. As pessoas tendem a ser mais agressivas quando estão perdendo e a ser mais conservadoras e realizar logo o lucro quando estão ganhando dinheiro. São dois lados de uma mesma moeda, que podem levar a comportamentos muito distintos.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Os pesquisadores Stephan Meier e Charles Sprenger provaram que há uma relação entre o viés do presente e dívidas no cartão de crédito. Indivíduos mais enviesados pelo presente tem maior probabilidade em pedir empréstimos, que pessoas com maior autocontrole.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A teoria da aversão à perda foi proposta pelos economistas Kahneman e Tversky em 1979. Ela defende que as pessoas com esse comportamento reagem de maneira diferente em situações de ganho ou de perdas no mercado de ações quando estão investindo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O instinto humano da sobrevivência leva as pessoas a terem uma aversão maior à perda e o medo pode levar a decisões de antecipar o prêmio, pela incapacidade de avaliar o que o futuro reserva.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O autocontrole é uma característica muito relevante quando se trata de cuidar das suas finanças, pois o ajuda a seguir as metas estabelecidas e tomar decisões mais racionais.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Não podemos eliminar as emoções das decisões, mas entender como pensamos e reagimos pode nos ajudar a fugir dos truques da mente e melhorar comportamentos em relação ao dinheiro, tão importantes para atingir objetivos financeiros.


A Capital Plan Investimentos – CNPJ 31.846.936/0001-61 é uma instituição habilitada e autorizada pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários para o exercício da atividade de gestão de recursos de terceiros.